SEGURANÇA

Diretores de OS alvo de investigação da Polícia Federal são afastados de hospital em Pirenópolis
Organização social foi investigada pela Polícia Federal por apresentar indícios de escolha de fornecedor e superfaturamento na gestão do Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime, em Pirenópolis


Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime (HEELJ), em Pirenópolis - Foto: SES/ GO

A Secretaria de Estado da Saúde determinou afastamento da diretora administrativa do Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime, de Pirenópolis, Leda Márcia de Vasconcelos, do superintendente administrativo financeiro Paulo Eduardo Leite Dias e do gestor de suprimentos Marcelo Carvalho Sousa, ambos do Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar (IBGH).

A organização social foi alvo nesta terça-feira, 15, de uma operação da Polícia Federal por indícios de direcionamento na escolha de fornecedor e superfaturamento na gestão do Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime, em Pirenópolis.

O documento, assinado pelo secretário Ismael Alexandrino, também proíbe a utilização do saldo em conta do contrato da organização com o hospital investigado no valor de R$4.874.213,97. Assim como proibiu de movimentar os saldos existentes dos contratos com o Hospital Estadual de Jaraguá e do Hospital Estadual de Urgências da Região Sudoeste, também geridos pela IBGH.

Além disso, a SES solicita esclarecimentos em 24 horas sobre as irregularidades apontadas pela Polícia Federal na gestão do Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime.

A operação

Perícia mostrou que a organização social adquiriu carregamento de álcool 70% prejudicial à saúde e identificou "impurezas, classificadas como hibocarbonetos", o que indica que estava contaminado com gasolina.

A investigação ainda apontou que máscaras adquiridas pelo hospital estão em desconformidade com a regulamentação oficial. A Polícia Federal aponta que houve prejuízo de no mínimo R$ 2 milhões aos cofres públicos.

A suspeita da Polícia Federal é que haveria direcionamento na escolha do fornecedor e superfaturamento. Os crimes investigados são de falsficação de produtos destinados a fins medicinais, fraude a licitação e organização criminosa.

A operação realizada na manhã desta terça-feira cumpriu 13 mandatos de busca e apreensão e oito de prisões temporárias, em Goiânia, Aparecida de Goiânia, Pirenópolis, Brasília (DF) e Macapá (AP).


Fale conosco ou participe do nosso grupo do WhatsApp




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



SEGURANÇA   |   28/05/2022 12h03

Goiás - GO
 




SEGURANÇA   |   27/05/2022 22h26

Águas Lindas de Goiás - GO
 

SEGURANÇA   |   27/05/2022 22h12

Itumbiara - GO